O movimento pela justiça climática volta às ruas, porque a nossa casa está a arder.

Convocamos uma acção de desobediência civil em massa no dia 22 de Maio na zona do Aeroporto de Lisboa.

Organizamo-nos em Assembleias Em Chamas, onde criamos as equipas da acção e lançamos acções de aquecimento. Organizamos apresentações públicas para convocar a acção e preparamo-nos nas formações em ação de massas.

Durante a acção, vamos organizar-nos em Grupos de Afinidade e vamos agir de acordo com o Consenso de Acção.

Deixa o teu email aqui para saberes como participar.

Em-chamas-banner-evento-v2

===

Reivindicações Em Chamas

A assembleia de acção aprovou, por consenso muito forte, as seguintes reivindicações.

Menos Aviões

1) Proibição da construção de novos aeroportos em Portugal: Nem no Montijo nem em lado nenhum: Portugal cessa imediatamente os projectos de construção de novos aeroportos.

2) Proibição imediata de voos domésticos em Portugal continental: Acabar já com rotas aéreas domésticas no continente, com destaque para a ligação Lisboa-Porto

3) Obrigação da média da taxa de ocupação dos voos ser acima dos 90%: Taxa média de ocupação para combater o excesso de voos com poucos passageiros, que pode ser fiscalizada por exemplo anualmente

Transição Justa

1) Formação Profissional nos Empregos para o Clima: Para todos os trabalhadores e antes de encerramento das empresas, formação profissional para empregos na mobilidade sustentável, paga pelas empresas de aviação

2) Garantia e Prioridade nos Empregos para o Clima: Garantia de emprego digno em novos sectores de mobilidade sustentável para todos os trabalhadores do sector de aviação

3) Rendimento de Transição: Alguns trabalhadores ficarão no sector mas a maioria precisaria de formação profissional e novos empregos, e outros podem preferir reforma antecipada. Independentemente da sua escolha final, para garantir que a transição não piora as condições de vida de ninguém, garantia de rendimento durante dois anos a todos os trabalhadores do sector, responsabilizando as empresas.

Mais Ferrovia

1) Ligar por Ferrovia Todas as Capitais de Districto até 2024: De momento, só é possível viajar por todo o país de carro, e há ainda 3 capitais de distrito não servidas pela ferrovia: Bragança, Vila Real e Viseu. Para uma maior acessibilidade e coesão do território, todas as capitais de distrito têm de ligar-se por ferrovia até 2024

2) Tornar todo o sistema ferroviário (antigo e novo) eléctrico com energia 100% renovável até ao final de 2024: No Programa Nacional de Investimentos 2030, o governo propõe 100% de electrificação até 2030. Porém, esta medida é urgente e deve estar concluída dentro de um prazo de 3 anos.